PM usou tortura e abuso sexual contra protesto, dizem estudantes

Fonte: Ponte Jornalismo

Por Maria Vitória Ramos e Maria Teresa Cruz

Policiais teriam obrigado secundaristas a comer papel e usado homens para revistar meninas

Estudantes secundaristas que participaram de um protesto contra os cortes no passe livre estudantil, decretados pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmam que foram espancados e sofreram abusos sexuais nas mãos de policiais militares logo após o final da manifestação, na noite desta quinta-feira (24/8).

Segundo os secundaristas, os PMs cercaram um ônibus onde estavam cerca de 30 estudantes, obrigaram todos a descer e passaram a agredi-los com socos, golpes de cassetetes e xingamentos. As meninas dizem que foram revistadas por policiais homens e pelos menos dois estudantes teriam sido obrigados a comer papel.

Foto: Rogerio De Santis

Batizado de 5º Grande Ato contra o corte no passe livre estudantil, o protesto, com cerca de 300 estudantes, começou na Praça da Sé e terminou na Prefeitura de São Paulo sem situações de violência. Após o jogral de encerramento, parte dos estudantes tentou voltar para casa de metrô, mas encontrou as estações fechadas. Havia o temor de que os estudantes realizassem um “catracaço” (pular as catracas sem pagar como forma de protesto). Em 18 de julho, um desses catracaços terminou com detidos e feridos na estação Sé do metrô.

Depois que passaram pelas estações Sé e São Bento, ambas fechadas, os estudantes chegaram à Praça da República, que estava ocupada por policiais militares. Eles tentaram pegar ônibus, mas os coletivos que passavam vinham com os letreiros apagados e não paravam no ponto.

Estudantes mostram marcas de espancamento | Foto: Maria Vitória Ramos/ Ponte Jornalismo

Foi quando um grupo formado por cerca de 30 estudantes se colocou diante de um dos ônibus, exigindo que parasse, e em seguida entrou pela porta de trás do veículo, sem pagar. Policiais teriam mandado o motorista abrir a porta, mas ele teria se negado, e os PMs responderam que enquadrariam o ônibus próximo dali, na Rua da Consolação.

Na altura do cemitério da Consolação, diversos policiais da Força Tática e da Rocam (Ronda Ostensiva Com Apoio de Motocicletas) cercaram o ônibus e obrigaram o motorista a parar.

A secundarista M. contou à Ponte que um policial entrou no ônibus com a arma na mão, ameaçando jogar bombas de gás e atirar se os estudantes não descessem. Mais policiais, armados com cassetetes, bateram em vários e forçaram a saída. “Na hora que aquele policial entrou com a arma na mão dizendo que ia atirar, eu pensei que já era! Quantos estudantes e trabalhadores tinha naquele busão, pedindo socorro, era brincadeira”, completa o estudante C.

Estudante e policiais no 78º DP | Foto: Maria Vitória Ramos/ Ponte Jornalismo

“Eles simplesmente arrastaram todos os jovens que estavam dentro do busão, secundarista ou não. Não perguntaram quem era, eles não selecionavam, eles simplesmente batiam em todo mundo’’, conta uma adolescente.

Abuso sexual

Fora do ônibus, as agressões continuaram. “Quando eu saí, dois policiais fortemente armados me arrastaram até a parede, me enquadraram, deram várias cacetadas e fizeram muitas ameaças. Cinco minutos depois eles me pegaram de volta, me machucaram, me enforcaram e ficaram todo o tempo falando que iam me prender”, conta.

Além de distribuir golpes de cassetete, socos e xingamentos, os policiais teriam abusado sexualmente das estudantes: parte das meninas foi revistada por policiais homens, antes da chegada de policiais femininas. “Uma das cenas que mais me deixa revolta foi o abuso do PM revistando as meninas, pegando as parte íntimas, mexendo nas bolsas e espancando”, desabafa o estudante D.

Outro estudante mostra marca de golpe de cassetete

Os secundaristas também relataram experiências inusitadas de abuso. Ao revistar um dos estudantes, um PM mandou que o menino esvaziasse os bolsos. Dentro, havia duas notas fiscais. O policial, então, exigiu que o secundarista rasgasse ambas e as comesse, junto com um colega.

Dois dos manifestantes, D., uma jovem de 19 anos e J., um rapaz de 22, foram detidos pelos PMs e levados ao 78º DP (Jardins). Com a jovem, os policiais afirmam ter apreendido três latas de tinta acrílica spray, “que são usualmente utilizadas para pichar muros”, conforme registraram no texto do termo circunstanciado (registro de ocorrência para delitos leves). Com o rapaz, a polícia apreendeu objetos como óculos de segurança e toucas, “os quais são de uso comum em manifestação e por indivíduos conhecidos pela tática ‘black block’”, segundo o termo circunstanciado.

Na delegacia, o soldado Jeferson Lopes de Faria deu a versão de que teria participado do cerco ao ônibus com o objetivo de prender uma menina que, um pouco antes, teria feito pichações em muros no Vale do Anhangabaú e que, conforme uma “informação” recebida pelos policiais, estaria dentro do ônibus. A jovem detida negou que estivesse com a as latas de spray apresentadas pela polícia. “Não sei de onde os policiais arrumaram ou com quem pegaram essas três latas de tinta spray, só sei que minhas não são”, disse à Polícia Civil.

Os dois jovens foram obrigados a passar a noite na delegacia, sendo liberados por volta das 5h. Apenas a menina foi autuada, pelo crime de pichação, prevista na Lei de Crimes Ambientais. O termo circunstanciado registra que “o local dos fatos da pichação foi preservado pela Polícia Militar para fins periciais”, uma prática pouco comum para crimes de ‘pixo’.

Outro lado

Procurada a respeito das denúncias, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB) enviou uma nota truncada:

A Polícia Militar informa que qualquer pessoa que tiver reclamações a respeito da conduta de policiais pode 6 queixa na Corregedoria para que os fatos sejam devidamente apurados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA