MTST

Na Luta | Boulos visita vigília em Curitiba e critica atuação seletiva da Justiça

Presente na vigília Lula Livre nesta segunda, líder do MTST critica a prisão de Lula sem provas. Papa Francisco teria enviado rosário para ex-presidente, mas assessor é impedido de entrar na PF

Boulos na vigília: farsa judicial com o objetivo claro de tirar o ex-presidente Lula do processo eleitoral | Foto por Eduardo Matysiak / Agência PT

A vigília Lula Livre, mantida na sede da Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso desde 7 de abril, recebeu hoje (11) o pré-candidato à presidência pelo Psol, o líder do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), Guilherme Boulos. “Há mais de dois meses, Lula está preso injustamente. A partir de condenação sem provas, de uma prisão política iniciada por uma condenação do juiz Sérgio Moro. Uma farsa judicial, na verdade, com o objetivo claro de tirar o Lula do processo eleitoral”, disse.

“Contra o Lula, não há qualquer prova e ele está preso aqui em Curitiba. Por isso, a defesa da liberdade do Lula, que entendemos como uma luta democrática. Não se trata de ser seu eleitor, militante do PT – sou pré-candidato à presidência da República pelo PSOL – trata-se de defender a democracia brasileira e ser contra a politização do Judiciário.”

Boulos criticou a seletividade da Justiça. “Enquanto isso, vemos gente com provas abundantes, mas sem punição. De um lado, temos punição sem prova. Do outro tem prova sem punição. Tá aí o Michel Temer, que tem gravação no porão do Palácio comprando o silêncio do Cunha, tem o braço-direito dele com mala de dinheiro no meio da calçada, e está dirigindo o país lá em Brasília. Está aí Aécio Neves, com gravações altamente comprometedoras, e continua no Senado Federal.”

O pré-candidato aproveitou para visitar o acampamento da vigília por Lula Livre, que está de pé desde sua prisão, no dia 7 de abril. “Contra o Lula, não há qualquer prova e ele está preso aqui em Curitiba. Por isso, a defesa da liberdade do Lula, que entendemos como uma luta democrática. Não se trata de ser eleitor do Lula, militante do PT – sou pré-candidato à presidência da República pelo PSOL – trata-se de defender a democracia brasileira e ser contra a politização do Judiciário. É disso que se trata”, concluiu.

Lamentavelmente, de maneira inexplicável, os funcionários, por uma ordem de cima, decidiram cercear o direito de Lula e meu direito de nos encontrarmos com o argumento que não poderiam comprovar o caráter religioso do encontro.

De acordo com o PT, o ex-presidente teria recebido hoje (11), em Curitiba, um presente do Vaticano. Trata-se de um rosário enviado pelo Papa Francisco para a sede da Polícia Federal do Paraná, na capital, onde Lula encontra-se encarcerado. A prisão, para a defesa do ex-presidente, é um processo político com objetivo de mantê-lo fora da disputa eleitoral de outubro.

Quem trouxe o presente para Lula foi o consultor de justiça e paz do papa Juan Grabois. Mesmo em missão religiosa, Grabois foi impedido de visitar o ex-presidente. “Lamentavelmente, de maneira inexplicável, os funcionários, por uma ordem de cima, decidiram cercear o direito de Lula e o meu direito de nos encontrarmos com o argumento de que não poderiam comprovar o caráter religioso do encontro”, disse.

“Vim trazer um rosário e trazer a palavra do papa com resoluções sobre encontros com movimentos sociais. Estou muito preocupado com a situação. Considero que estamos claramente diante de uma prisão política aonde há uma deterioração da democracia no Brasil. Essa inexplicável negativa de permitir uma visita pactada de antemão é parte de um processo de degradação da institucionalidade”, completou.

Grabois, consternado, disse que já realizou tal tipo de visitas em outras ocasiões, em outros lugares do mundo, e que nunca havia recebido tal tratamento. “Visitei presos em situações similares em diferentes lugares e nunca tive uma negativa dessa natureza. O mais importante é que pude entregar o rosário. Saio daqui triste, mas com esperança de que teremos justiça.”  Além do terço, o mensageiro deixou uma carta para Lula.

Em maio, o papa fez um discurso criticando o papel político da mídia na difamação de figuras públicas. “Criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa. A mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas. Depois chega a Justiça, as condena, e no final, se faz um golpe de Estado”, disse.

 

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA