MTST

Funcionária de Guilherme Boulos diz que foi ameaçada com arma por simpatizante de Bolsonaro

Eleitor de Jair Bolsonaro (PSL) teria intimidado funcionária em frente à sede do PSOL, na cidade de São Paulo

Foto por Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo

Uma integrante do comitê de comunicação do candidato do PSOL à presidência, Guilherme Boulos, disse ter sido ameaçada com arma de fogo por um simpatizante de Jair Bolsonaro (PSL).

A intimidação teria acontecido nesta quarta (29), em frente à sede do partido psolista na rua Cardeal Arcoverde, na zona oeste paulistana.

“Enquanto estava em ligação, na frente do portão do comitê, um carro parado no trânsito, ao ler o nome de Guilherme Boulos no grafite da parede, reagiu com um grito ‘Boulos é o c*, Bolsonaro’“, ela relatou à equipe do candidato.

“Assustada, não entendi e reagi com cara de quem não estava entendendo e disse: ‘O quê?’. O motorista mais uma vez gritou Bolsonaro e eu retruquei dizendo ‘fascista’. Após chamá-lo de fascista, ele mostrou uma arma prata de cano longo. No impulso saí em direção do carro para registrar foto da placa.”

A equipe da campanha foi ao 14º Distrito Policial registrar um boletim de ocorrência com a placa do automóvel, associada a um Chevrolet.

Discurso de Bolsonaro estimula atos como esse, diz PSOL sobre ataque a comitê

Em nota, a campanha de Guilherme Boulos (PSOL) exigiu apuração das autoridades sobre ameaças que teriam sido feitas a uma funcionária do comitê de comunicação do presidenciável, em São Paulo.

O caso foi registrado junto ao 14º Distrito Policial, no bairro de Pinheiros. A funcionária, que teve o nome omitido, disse ter sido ameaçada com uma arma de fogo por um simpatizante de Jair Bolsonaro (PSL) por volta das 16h30, que estava em um carro Chevrolet Classic preto.

“Enquanto estava em ligação, na frente do portão do comitê, um carro parado no trânsito, ao ler o nome de Guilherme Boulos no grafite da parede, reagiu com um grito ‘Boulos é o caralho, Bolsonaro’“, ela relatou à equipe do candidato.

“A violência, o medo e a intolerância não podem ter espaço na democracia. O discurso de ódio de Jair Bolsonaro estimula atos dessa natureza, sejam eles premeditados ou não. Nossa campanha não será intimidada por agressões, ameaças ou violência. Seguiremos firmes lutando por democracia, direitos e liberdade”, diz trecho da nota da campanha.

 

 

Fonte: Gazeta do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA