MTST

“ELE NÃO” | Movimento promovido por mulheres contra Bolsonaro vai às ruas dia 29

Organizada a princípio pelo movimento feminista, agenda contra o candidato do PSL ganha espaço e organiza manifestações nas capitais, no interior e até em vários países

Candidato é conhecido pelos ataques à dignidade e direitos de mulheres, homossexuais, indígenas, quilombolas e outros | Reprodução/Facebook

Mulheres e homens pretendem ir às ruas, avenidas e praças no próximo dia 29, sábado, para mostrar sua rejeição contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL). Até o fechamento desta reportagem, o Facebook registrava 109 eventos para esta data em diversas capitais brasileiras, dezenas de cidades do interior em vários estados e até do exterior, como Lisboa, Porto e Coimbra (Portugal), Berlim (Alemanha),  Lyon (França), Galway (Irlanda), Barcelona (Espanha), Sidney e Gold Coast (Austrália), Londres (Inglaterra) e Haia (Holanda), entre outras.

Embora “Mulheres contra Bolsonaro” e “Mulheres Unidas contra Bolsonaro” sejam os principais motes, os eventos são apoiados por pessoas de todos os gêneros, com milhares de homens confirmando presença ou mesmo apoiando o protesto. A questão de gênero, forte quando o assunto é o político que se tornou conhecido pelos ataques à dignidade e aos direitos das mulheres, comunidade LGBT, indígenas e quilombolas, entre outros, ainda é predominante nos protestos. Mas começam a surgir outros chamando a “todos contra Bolsonaro”.

A vontade de protestar contra o candidato de extrema-direita, que foi internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no último dia 7, após ser esfaqueado durante campanha nas ruas de Juiz de Fora (MG), é grande. Tanto que diversos movimentos e coletivos deverão marcar presença, garantindo assim atividades que devem se estender por boa parte do dia.

Em Belo Horizonte, por exemplo, são esperados três atos na Praça 7 de Setembro. Mulheres artistas e integrantes da Frente Brasil Popular se concentram às 12 horas para o Ato Político Cultural Mulheres contra Bols.ona.ro. Às 14 horas será a vez das Maconheir@as com as mulheres contra Bol.son.aro. E às 15 horas, Todos contra Bolsonaro. Na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro também haverá protestos de diversos grupos ao longo do dia.

O do Largo da Batata, em São Paulo, que poderá reunir 211 mil pessoas, contará com o ato Religiosas e Religiosos contra Bolsonaro, organizado pelas Católicas pelo Direito de Decidir, e Pelos Animais contra Bolso.Naro, da Bancada Vegana, entre outros.

O movimento, que a princípio era feminista, ganhou força no último final de semana. A comunidade “Mulheres Unidas contra Bolsonaro, que chegou a reunir quase 2 milhões de participantes no Facebook, foi alvo de ataque. Na madrugada do domingo, a página foi derrubada. Coincidência ou não, a campanha do candidato comemorava nas redes sociais o apoio recebido por um grande grupo de mulheres.  A queda da página impulsionou a resistência contra o candidato, que tomou conta das redes sociais com a hashtag #EleNão.

Mulheres brasileiras na Alemanha, Argentina, Austrália, Canadá, Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Portugal e Estados Unidos também irão às ruas protestar.

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual

2 comments

  • Gilberto Givanildo Araujo

    nunca nosso voto foi tão importante , vamos fazer o grande chamamento ás urnas , votem em qualquer dos candidatos ELE NÃO

  • Saído da era das cavernas, Bolsonaro personifica o nazi facismo de Hitler e Mussolini, assim como incorpora zero de competência e cem por cento de truculência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA