Com reintegração marcada, Ocupação Dandara se reúne com poder público e resiste em Alagoas

Por Brigada de Comunicação

Durante a tarde da última quarta-feira, dia 8 de novembro, líderes regionais do MTST foram recebidos por representantes do poder público do estado de Alagoas e da capital, Maceió. A tentativa de diálogo busca resolver a situação da Ocupação Dandara, que já registra mais de 500 famílias acampadas num terreno que se encontrava abandonado há mais de 20 anos na região metropolitana de Maceió.

A audiência aconteceu dentro do gabinete civil e contou com a interlocução da Secretaria de Articulação e Mediação de Conflitos, além da presença da responsável pelo setor e superintendente de projetos sociais, Vanessa Martins. Os coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto de Alagoas saíram com a promessa, por parte do poder público, do compromisso de articulação entre prefeitura, estado e governo federal com o magistrado que julgou a reintegração de posse do terreno ocupado — prevista para a próxima segunda-feira, dia 13.

A iniciativa procura conquistar mais tempo para a continuação do diálogo e para a busca de uma resolução pacífica. A prefeitura de Maceió afirma que a área ocupada é propriedade do governo federal e que, apesar de abandonada há duas décadas, seria destinada aos Correios.

A coordenadora do MTST Eliane Silva ressaltou que diversas mobilizações já foram feitas pelo movimento nas últimas semanas. “Já realizamos o bloqueio de vias, já fizemos várias caminhadas e, mesmo assim, só recebemos a repressão como resposta. Se for necessário, vamos fazer outras ocupações na região”, afirma Eliane.

Mesmo com o início das conversas e a esperança de uma solução pacífica, os secretários declararam não haver projetos de moradia previstos para a cidade — o que talvez só aconteça dentro de alguns anos, segundo os mesmos.

As lideranças regionais do movimento seguem aguardando o contato do poder público até o fim desta semana. Para o dia 13 de novembro, está prevista a reintegração de posse com a ameaça do uso da força e multa diária, caso os acampados resistam no local.

Dandara: Contexto de Intimidações

A Ocupação Dandara teve início no último dia 16 de setemro, data simbólica por ter sido o dia, há exatos 200 anos, em que Alagoas conquistou sua emancipação política. O nome de batismo da ocupação é uma homenagem à histórica lutadora contra a escravidão da região, Dandara — que também foi companheira de Zumbi dos Palmares.

No entanto, desde o dia da ocupação, diversas denúncias de abuso policial têm se somado. Para os acampados, a polícia militar de Alagoas tem sistematicamente invadido as barracas na tentativa de criminalização do movimento. Uma nota de repúdio por parte da organização da Ocupação Dandara já havia sido divulgada no mês passado.

 

MTST, A LUTA É PRA VALER!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA