25 anos do massacre do Carandiru: como isso tem a ver com a redução da maioridade penal?

Fonte: Jornalistas Livres

Por Luna Costa

Dia 2, há 25 anos atrás, acontecia o maior massacre da história dos presídios brasileiros, na penitenciária do Carandiru, na zona norte da capital paulista.

Detentos expõem faixa contra o massacre em janela de pavilhão da Casa de Detenção do Carandiru

Ontem (2), há 25 anos atrás, acontecia o maior massacre da história dos presídios brasileiros, na penitenciária do Carandiru, na zona norte da capital paulista. Foram 111 detentos mortos durante uma operação policial para reprimir uma rebelião no Pavilhão 9 do estabelecimento.

O que se vê, desde então, é uma Política de Segurança Pública irresponsável que aposta cada vez maior no superencarceramento, assim como na violência contra detentos. Em 2016, foram 400 mortes violentas nas prisões brasileiras. Em 2017, apenas nas duas primeiras semanas de janeiro, foram 137 vidas.

O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, com um aumento na população carcerária de 267,32% nos últimos quatorze anos. Segundo o estudo do Depen, 61,6% dos presos são pessoas negras. O sistema ainda está com 161% de sua capacidade ocupada, o que significa que, em celas concebidas para custodiar 10 pessoas, há em média 16, de acordo com o Ministério da Justiça. Isso só mostra como prender não resolve absolutamente nada.

Enquanto cada vez mais os presídios são espaços de violências, superlotação, de precarização da saúde e violação de direitos, mais cedo querem prender nossos jovens negros e pobres. Cada vez mais retiram o acesso à educação, ao esporte, lazer, cultura e trabalho digno, para jogá-los onde a barbárie é institucional.

Essa política é parte de um país que foi construído sob um racismo estrutural. O ano é 2017, mas nos faz lembrar séculos passados quando retiram direitos de pessoas negras e as algemam, para matar ou deixar morrer aos poucos.

Como diz Angela Davis, lutar contra prisões em massa é lutar contra escravidão dos tempos modernos. Lutar contra a redução da maioridade penal é lutar por um país mais igual, com respeito à dignidade e à vida de todas e todos, sobretudo da população negra. Queremos nossos jovens nas escolas, não nas cadeias.

Carandiru vive: tem CEP; tem cor; tem renda; e, agora, idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

CAPTCHA